sexta-feira, 24 de fevereiro de 2012

O Artista (2011): de volta aos tempos em que o silêncio valia ouro

Vivemos a Era do revival do Cinema Clássico. Homenagem ao centenário da estabilização do cinema como “máquina de contar histórias” ou constatação de que tudo o que valia a pena ser dito pela Sétima Arte já o foi e nos resta apenas redizê-lo? Dos indicados ao Oscar desse ano, “A invenção de Hugo Cabret”, “Meia-noite em Paris” e “O Artista” – a enumeração não é exaustiva – são exemplos de produções alinhadas à febre. Isso sem falar no curta de animação The Fantastic Flying Books of Mister Moris Lessmore”, que parece “The Wizard of Oz” (1939) transposto para o contexto da fruição literária, com direito a furacão, a trabalho análogo com as paletas do cinza e a colorida, e com livrinhos-anões dançando em torno do protagonista-Dorothy ao longo de um brown brick road... Em vários desses casos, a citação de obras antigas conseguiu bons resultados. Exemplo é o franco-americano “O Artista” (“The Artist”, Michel Hazanivicous, 2011), filme tornado cult desde que seu protagonista Jean Dujardin recebeu ano passado em Cannes o prêmio de Melhor Ator e a obra concorreu à Palma de Ouro.
“O Artista” conta a história de George Valentim, um star de cinema bem ao gosto dos anos 20 (charmoso, egocêntrico e milionário) e de Peppy Miller, aspirante a atriz que ruma à Hollywood em busca de fama – trajetória comum a milhares de jovens iludidas pelas revistas de fofocas cinematográficas da época. A câmera narrará paralelamente as trajetórias de ambos, trajetórias decididas pela transição do cinema silencioso para o falado. Certamente, já vimos esse filme antes – e “O Artista” não tenta esconder suas influências, antes as cita exaustivamente (não só ao longo da hora e meia de projeção como de modo textual, nas entrevistas do diretor), procurando estabelecer seu valor antes de tudo como homenagem às primeiras décadas do cinema de estúdio.
O filme é um charme do começo ao fim: tem personagens carismáticos, situações divertidas e tocantes. Tem o mérito de recontar para as novas gerações a história do cinema silencioso no seu momento mais dramático, a transição dos silents para os talkies. E ainda o faz a partir da forma: em branco e negro e sem o uso de diálogos. O roteiro (também de Hazanivicous) é estruturado com competência, com raros momentos de pouco interesse e uma ocasional (e bem-vinda) fuga do dramalhão pelo humor. É um filme muito bom, mas não chega a ser grande devido ao seu próprio contexto de produção e circulação: um filme silencioso e branco-e-preto só seria aceito nesses tempos de tagarelice filmada, 3D, High Definition e quejandas inovações tecnológicas se fizesse concessões ao grande público. A estratégia deu certo, tanto que o filme anda enchendo salas ao redor do mundo. Pretendo, daqui em diante, olhar com algum cuidado para essas estratégias:
George Valentim, encarnado de modo brilhante por Dujardin, é Douglas Fairbanks, John Gilbert, Ronald Colman e, porque não, Rodolfo Valentino (seu nome não é casual). Porque o ator incorpora bem o gestual desses galãs dos silenciosos, o que é um mérito seu; e porque a película desenvolve-o segundo as personas privadas e cinematográficas dos galãs dos anos 20 – desses, apenas Colman fez a passagem para o cinema falado; as carreiras dos outros dois morreram com a chegada do som (e Valentino morreu antes de Hollywood decidir pela transição). Ele é também – e, sobretudo – o Don Lockwood de “Cantando na Chuva” (1952), que por sua vez já era uma soma dos galãs anteriores temperado com tap dancing.
Peppy (Bérénice Bejo) é a diluição de uma porção de estrelas que galgaram com esforço os degraus da fama, como, por exemplo, Gloria Swanson, que só ascendeu a protagonista de filmes sérios depois de ser girl da Keystone e saco-de-pancadas de comédias pastelão. Ela tem suas matrizes ficcionais não só na Kathy Selden de “Cantando na Chuva”, corista aspirante a atriz de cinema por quem o galã Lockwood se apaixona, como nas várias stars de “A Star is Born”, especialmente Janet Gaynor (1937) e Judy Garland (1954) – ambas descobertas por astros que vão se apagando enquanto elas ganham espaço no céu de estrelas de Hollywood.
Tais influências são trabalhadas com afinco (e, porque não dizer, paixão exacerbada) em “O Artista”, umas vezes até com prejuízo da trama. Um compêndio de referências iria encompridar desnecessariamente o texto, portanto, deixemo-lo de lado e vamos nos concentrar nas principais: as cenas de luta de George Valentim (“The Mark of Zorro”, de Douglas Fairbanks 1920 e, depois, o filme-dentro-do-filme de “Cantando na chuva”); seu encontro com a jovem, no set de filmagens e os planos do galã caminhando entre cenários e da jovem caminhando pelas ruas do estúdio (“Cantando...”); a estética art déco do cenário onde ambos bailam a cena final e os ângulos em que os planos são tomados (qualquer filme de Ginger Rogers e Fred Astaire, exceto o primeiro e o último – nos outros oito a elegância dos amplos cenários brancos casava-se perfeitamente à imagem dos atores); o fato de se encontrar, na música, um meio-termo entre a voz e o silêncio (“Cantando...”).
Além dessas relações que dizem respeito ao enredo, “O Artista” cita inúmeros outros clássicos na composição de suas sequências: o “Cidadão Kane”, na montagem paralela que, por meio de pequenas cenas na mesa do almoço, mostra o adensamento do abismo que separa o ator em decadência e sua esposa; “Sunset Boulevard” (1950), na cena em que o ator já decadente se observa no écran; e “Pennies from Heaven” (1981) - esta canção, que compõe a banda sonora de “O Artista”, só faz salientar que ele executa um movimento análogo de paráfrase do cinema clássico ao que o filme de Steve Martin fez nos anos 80. E mais, a cena que eu suponho a mais bonita do filme, aquela em que Peppy veste-se com um dos braços do terno do galã para ganhar dele um abraço impossível, foi livremente baseada na comovente cena de Stela Maris” (1917) em que a órfã (Mary Pickford, a estrela-das-estrelas daqueles tempos) interage com o terno do homem que a adotou. Uma dessas referências chegou a causar polêmica: o uso literal de um longo trecho do score de “Um corpo que cai” (1957), composto por Bernard Hermann, culminou no repúdio formal de Kim Novac, a protagonista da fita de Hitchcock.
Porém, eu
suponho que nada tenha influenciado “O Artista” tanto quanto o fez “Show People” (King Vidor, 1928).

A matriz: “Show People” (1928)

Cruzei com esta obra-prima esquecida de King Vidor por um acaso um tanto quanto cinematográfico. Quem o sugeriu foi o Sistema do IMDB, que por algum motivo obscuro sabia que eu precisava vê-lo. A obra é protagonizada por Marion Davies, que não é outra senão a amante de Randolph Hearst parodiada por Orson Welles em “Cidadão Kane” (1940). Ao contrário do que pinta o ferino Welles, Davies era uma atriz cômica sensacional, e está especialmente luminosa em “Show People” na pele da mocinha que, por influência do pai, decide tentar o sucesso na capital do cinema. Ela adentra Hollywood, passa pelos estúdios e, pescada na entrada dos extras de um, é jogada em cena ao lado de um galã. O paralelo com “O Artista” não para por aí. A jovem é Peggy Pepper (e a semelhança nos nomes não é casual, pois Miss Pepper é tão apimentada quanto a Miss Peppy de “O Artista” é vivaz). E cabe ao galã – que dessa vez não passa de um ator principal de comédia pastelão – treiná-la para o sucesso.

A moça sobe como um foguete ao céu de estrelas de Hollywood e o rapaz segue no pastelão, mas quem se sai realmente bem é o público, que tem o prazer de conhecer detalhes dos dois mundos – o que mais me fascina em Hollywood é seu duplo movimento de mostrar ao público os pouco realistas bastidores das produções para depois convencê-lo que as histórias filmadas eram a mais pura realidade.
No nosso passeio pela Hollywood de 1928 – feito no calor da hora, o que o torna ainda mais fascinante – trombamos com Chaplin (sem os andrajos do mendigo que ele tornou célebre), com Douglas Fairbanks, com Mary Pickford, todos se desempenhando a si próprios (melhor dizendo, todos reforçando os tipos que o star system lhes criou). Menciona-se Gloria Swanson, àquela altura uma das grandes do cinema e que, segundo o mocinho, “antes de tudo foi obrigada a fazer comédia pastelão”. Surgem nele cenas que depois outros filmes tornariam notórias, como a personagem de Judy Garland encenando um close para o marido em “Nasce uma Estrela”, ou a personagem de Gene Kelly beijando paulatinamente os braços da nobre que ele amava numa sequência de filme-dentro-do-filme em “Cantando na chuva”. Isso sem contar o uso notável que “Show People” faz da banda sonora, incorporando na película, logo na alvorada do som, as canções populares americanas escritas por clássicos como Irving Berlin e os leitmotiven das personagens – procedimento que depois se tornaria padrão (e é padrão até hoje). “The Artist” usa em seu score alguns acordes do leitmotiv do par romântico de “Show People”, “We’ll meet again”, de Abner Greenberg. Isso para eu não me estender nas outras várias citações que ele faz do filme, e que certamente o leitor foi percebendo ao longo da leitura. Uma, final, e que salta aos olhos, é o título das películas: porque “The Artist” concentra seu universo no ator principal; “Show People”, na indústria do espetáculo.

*

Influenciado por tantas obras-primas, não tem como "O Artista" não ser bom. Porém, quem conhece os filmes citados corre o risco de passar mais tempo a elencar as referências que a mergulhar na história e fruí-la. É certo que as citações dos clássicos aciona a memória afetiva, ajudando no envolvimento do público. Mas ela é feita no filme com demasiada pertinácia, o que o faz vez por outra esbarrar na obviedade, ou então, que o eixo narrativo seja abandonado em prol do exercício de erudição cinematográfica. O filme ganharia, por exemplo, se investisse no aprofundamento das personagens principais, que não passam de tipos de pouca densidade psicológica. A simplificação certamente contribui no entendimento da história para a massa do público desacostumada aos silents, mas é só se conhecer meia dúzia dos grandes da época (dramas como "The Crowd", "Aurora" ou "A última gargalhada", thrillers como "Nosferatu", épicos como "The Gosta Berling Saga" e comédias como "Lady Windermere's Fan", de gênios como Lubitsch, Murnau e King Vidor) para se relativizar seu valor.
Por isso, penso que os melhores momentos da trama são aqueles em que as citações são observadas criticamente. Valentim encarando a tela branca, tal qual Norma Desmond, mas para dizer “Você é um covarde!” é um grande momento. Mas o melhor é mesmo o abraço simbólico que Peppy dá em seu amado – abraço que cria um novo sintagma no já formidável dicionário de gestuais do cinema silencioso.
Por fim, não podemos deixar de lado a grande sacada do filme – o elemento que é mais intrinsecamente dele: o desdobramento dos signos referentes à palavra. A cena inicial, também um filme-dentro-do-filme, em nada se distanciaria de “Ed Wood” (1994) se o protagonista não dissesse, em letras garrafais: “I WONT SPEAK”. Aqui, pessoa e personagem se integram numa mesma persona – elemento caro ao cinema de estúdio, que elimina as barreiras entre o mundo dos sonhos criado para as telas e o mundo real.
Valentim passará o filme silencioso em silêncio, porém, seus gestos serão tão copiosos como eram os dos artistas que, segundo Metz, tentavam transformar cada palavra num movimento de corpo. A narrativa, sempre subjetiva, mimetizará o desespero do protagonista com relação à sonorização dos estúdios por meio de uma inteligente sequência de pesadelo, sequência em que ele escuta, intensificados, todos os ruídos do mundo, menos sua própria voz.
É certo que o filme simplifica a questão, ao transformar o bloqueio do ator com relação à palavra num desvio psicológico dele, evitando assim falar dos artistas enxotados da cena por terem vozes pouco condizentes com os tipos que representavam ou dos conluios das companhias para que algumas carreiras naufragassem. Porém, o expediente acaba por funcionar, e eu acredito que durante algum tempo se vai falar da cena final: momento catártico em que, depois de um frenético número de sapateado, a gente escuta pela primeira vez a voz do protagonista. Nessa hora me senti como o público que, depois de esperar por meia hora a primeira palavra de Greta Garbo em "Anna Christie", pôde finalmente respirar aliviado.


*

Eis, abaixo, a tal sequência de "O Artista" em que é usado o score de "Um corpo que Cai". Caso haja problemas na visualização ela pode ser baixada por aqui:






*

Esse post foi escrito com a ajuda de: o livro A significação no cinema, de Christian Metz; o documentário "A batalha por Cidadão Kane"; o site do Mary Pickford Institute, cuja resenha sobre Stela Maris (por Hugh Neely) me levou ao filme e Jonas Nordin, que apresenta o trecho de "Um corpo que cai" vítima de litígio no blog All talking, all singing, all dancing"; a indicação que Elisa Coelho me fez do curta-metragem. "Show People" pode ser encontrado aqui.

16 comentários:

Edison Eduardo d:-) disse...

Oi, Danielle... Li a resenha que já tinha sido feita na íntegra, eheheh, por vc mesma no dia que fomos assistir o Artista... Tá muito bem cotafdo o filme, será que leva mesmo o principal??? Um bjão! O último video não está abrindo aqui...

Danielle Carvalho disse...

Oi, Edison;

Pois é, falamos bastante nisso na saída do cinema, né? Depois vi o filme de novo por aqui e, embora tenha gostado mais dele que da primeira vez, algumas coisas continuaram a me incomodar. Entendo a visada nostálgica e bem-humorada à sétima arte, mas continuo achando que o filme conseguiria ser melhor ainda se enxugasse um pouco as citações.

O último vídeo é direto do youtube: http://youtu.be/GwD9twaZMZM

Bjs
Dani

ANTONIO NAHUD JÚNIOR disse...

Dani, nunca tinha ouvido falar de SHOW PEOPLE. Fiquei super curioso. Também acho a Marion Davies uma ótima comediante (tinha energia, luminosidade) ofuscada por sua relação com o bizarro Heart. E o King Vidor é monumental. Gostei de O ARTISTA. Muito charmoso e cativante, mas também não consegui perceber grandes méritos merecedores de tantos prêmios, tanta paparicação. Acho que ele será esquecido rapidamente.
Beijos,

O Falcão Maltês

Danielle Carvalho disse...

Antonio, "Show People" foi por enquanto minha descoberta do ano. Ele é ponto de inflexão do cinema daquela época. Pra mim ele é um análogo de "Cantando na chuva" no que toca à sistematização do cinema de até então. Teve diretor conhecido e atriz relevante naquele momento; não sei como terminou esquecido... Não me espanta que os criadores de "O Artista" não o tenham mencionado, porque o filme francês dialoga demais com o desenho da trama do filme americano, mais do que qualquer outro filme anterior que também tenha sido influenciado pela produção. Não deixa de baixá-lo que vc certamente vai curtir!

Bjos
Dani

J. BRUNO disse...

Oi Danielle confesso que não tinha nem ideia do quão diretas algumas referências eram, também fiquei curioso quanto a "Show People", espero que tal efeito ganhe ecos em outros cinéfilos e os levem a descobrir o fascínio e a magia do cinema de outrora... Ah, você já assistiu "Hugo"? O que achou?

Danielle Carvalho disse...

"O Artista" é uma colagem de referências de clássicos, Bruno. É bem por isso que não decola. É bom, mas não consegue ser uma obra-prima porque fica muito colado em muitas obras primas. Preciso, agora que vi o filme, ler sua resenha dele!
"Hugo" eu ainda não vi...

Bjs
Dani

Anônimo disse...

Oi Dani, já faz tempo que a gente não se fala! Você saciou a sua curiosidade por O artista em grandissíssimo estilo. Para além do conhecimento dos filmes, seus instrumentos de análise estão muito bem afiados. Continuo impressionada. Grande abraço. Saudades. Ana Cecília.

Danielle Carvalho disse...

Oi, Ana!

Faz tempo mesmo, hein? Precisamos combinar logo outra sessão de cinema!
Fico feliz que tenha curtido o texto. E você, o que achou de "O Artista"? Todos parecem irremediavelmente apaixonados por ele, né? Bem, não os censuro, porque eu estou pelo ator principal...

Bjos e até logo.
Dani

Anônimo disse...

Dani,a grana anda bem curtinha, então, dessa safra do Oscar eu não vi nada ainda, com a exceção, por sorte, do fundamental "A separação". Ontem encarei o calor e vi no Olido, por 1 real, um indicado ao Oscar de 1971, "Cada um vive como quer", grande momento de Jack Nicholson. E sim, aguardo sua vinda a São Paulo. Beijos, Ana.

Danielle Carvalho disse...

Oi, Ana!

"Separação" é mesmo uma maravilha! É o grande filme do Oscar, pelo menos dentre aqueles que eu vi até agora. Mas "O Artista", sem ser genial, merece também ser visto. Ah, e que beleza ter essa variedade de cinemas que vocês têm aí. Por aqui damos graças ao Topázio, que é o único que foge do cinema standard.

Bjo!
Dani

Veneno da Madrugada disse...

Oi, Dani, concordo com você com relação a citações, acredito que o filme careceu de originalidade, pois apenas faz referências atrás de referências e não conta nada de novo! agora, o que eu menos gostei do filme foi a escolha da atriz principal, ela não me convenceu muito, além de seus gestos e expressões serem muito exagerados, me pareceu que ela se esforçou demais para parecer uma atriz de cinema mudo.Lívia

Danielle Carvalho disse...

Ele frustrou as minhas expectativas também, Lívia, o que é uma pena, porque esse era um filme que eu queria muito amar... A Bérénice não me disse muito, também. Acho que ela está bem caracterizada como atriz de cinema mudo, mas seu papel é muito frágil e o galã dela, mais bem construído, rouba a cena. O cartaz anunciava uma "linda história de amor" que não se concretiza, o que se deve talvez à dificuldade de se nuançar a personagem utilizando-se da linguagem cinematográfica. Isso é, desde meu ponto de vista, o que afasta o filme das grandes produções do período. A câmera conta de modo muito esquemático a história da jovem que cresce na profissão graças ao ídolo, a quem ela subitamente deixa de amar e passa a ser simplesmente agradecida. Faltaram mais sequências como a do terno pra darem densidade ao sentimento de afeto dela e para que seu papel se equilibrasse com o do Dujardin.

Bjo!
Dani

Jefferson Clayton Vendrame disse...

Dani, Perfeito seu Post.
Estou muito afim de assistir esse filme, obviamente que ele é a minha cara, adorei ver em 2012, em pleno século XXI o cinema mudo e preto branco voltar levando Oscar e tudo. Acho que não terei a oportunidade de ve-lo na tela grande pois aqui na minha cidade creio que não virá, quando ele estreou em? no Brasil?
Mas enfim,...

Quanto a música no final do Post, realmente, é a de Bernard Hermmann de Vertigo. e que cena linda em...

Abração,

Danielle Carvalho disse...

Oi, Jefferson.

Obrigada! Acho que o filme é, mesmo, a nossa cara. Ele estreou no Brasil no dia 10 de fevereiro e, embora esteja sendo bem distribuído por causa do tanto de prêmios que recebeu, bastante provavelmente vai passar longe das cidades pequenas (em Valinhos ele não chegou).
O uso do leitmotiv amoroso do "Vertigo" causou burburinho. Desde meu ponto de vista, ele entrou forçado na trama - no filme de Hitchcock ele se encaixa perfeitamente porque é o clímax de um tema que já vinha se desenvolvendo ao longo do filme. É um tema amoroso, com todos aqueles violinos que parecem ainda mais claros no score de "O Artista". É tema lírico, então não me convenceu muito nessa cena de desespero do George Valentin. Mas a música soa tão bem que é impossível a gente ignorá-la, mesmo nessas condições.

Bjo
Dani

disse...

Oi, Dani! Só agora vi O artista e vim ler seu excelente post! Concordo que faltou o aprofundamento de, por exemplo, Crepúsculo dos Deuses. Em todo caso, acho que valeu a experiência de ver um filme mudo na tela grande. Lembrei-me muito de Don Lockwood e de Greta Garbo, obviamente na parte em que Peppy diz que quer fiar sozinha.
Também não conhecia Show People nem a cena de Stela Maris. A única coisa que o IMDB vem me recomendando ultimamente é Anjos de Cara Suja :)
Beijos!

Danielle Carvalho disse...

Oi, Lê!

Obrigada pelas palavras! Que bom que você teve chance de ver o filme no cinema!
Você bem lembrou a fala antológica da Greta Garbo, repetida pela Peppy. Um crítico viu o filme como a transposição da história de Garbo e John Gilbert, mas não acho que seja esse o caso. Trata-se sim, de mais uma referência entre as tantas que "O Artista" faz.

O IMDB anda me dando ótimas dicas. Mais de uma vez me sugeriu "Show People". Depois que o acatei, me indicou "The Patsy", outra comédia silenciosa também ótima da Marion Davies; e "The Palm Spring Story", screwball comedy protagonizada pela Claudette Colbert. Agora ele anda me indicando Hitchcock, mas nunca me sugeriu "Anjos de Cara Suja", que acabei de baixar por indicação sua :D

Bjos
Dani