quarta-feira, 30 de janeiro de 2013

Oscar 2013: Amour, Argo, The Master. Parte 1: “Amour”


Animador o conjunto de filmes que participa do páreo desta festa do Oscar. Além de “The Beasts of the Southern Wild” (Indomável Sonhadora), de Benh Zeitlin – sobre o qual o blog já deu notícia na segunda metade de dezembro –, três outros ótimos estão em cartaz há tempos por aqui: “Amour” (de Michael Haneke, filme austríaco que também compete pelo prêmio de Melhor Filme Estrangeiro e Melhor Diretor), “Argo” (de Ben Affleck) e “The Master” (de Thomas Anderson, que também concorre como Melhor Diretor). Quatro filmes muito diferentes, todos a demonstrarem grande domínio técnico de seus artífices. A seguir, notícia dos três cujos títulos encimam o post. Notícia em forma de folhetim, porque o tempo urge (mais il faut écrire...). Capítulo 1: “Amour”... 

“Amour” (Amor)

Os últimos momentos de vida de um casal octogenário. Tema tratado já tantas vezes pelo melodrama ganha novo rosto ao passar pela objetiva dura, grave, alemã de Haneke – objetiva que o leitor encontrou pela última vez um par de anos atrás em “A Fita Branca”, indicado ao Oscar de Melhor Filme Estrangeiro de 2010. 
Trintignant e Isabelle Huppert, pai e filha
O foco é posto sobre a esposa, pianista ainda entusiasta das artes. No primeiro plano da película a câmera a olha a partir do palco onde se apresentará seu ex-aluno, agora notório pianista. O plano de conjunto mal permite aos expectadores apreenderem-na sentada na plateia. A cena desenha metonimicamente a mise-en-scène de Haneke. Constantes no filme são os longos planos de conjunto, a câmera parada, a dificuldade de se penetrar os pensamentos dos personagens, de desvelá-los. 
A câmera de Haneke estabelece uma relação dialética com a sua protagonista. Sua frieza, a recusa de reagir emocionalmente às situações, é também a da personagem de Emmanuelle Riva (que realiza um grande trabalho, com justeza colocado em destaque pela indicação ao prêmio de Melhor Atriz). A entrega da pianista à arte é antes uma devoção ao métier que uma paixão. Artista precisa que é, dá de costas ao piano e à vida quando a degeneração a impede de realizar sua arte com precisão. 
O corpo paulatinamente paralisa-se, a mente falha. Ela precisa aceitar o auxílio do marido para se alimentar, das cuidadoras para realizar sua higiene pessoal. O penoso processo de envelhecimento é sublinhado pelas lentes de Haneke ao ganhar corpo através de uma personagem cuja característica dominante era a perícia técnica. 

O marido (Jean-Louis Trintignant) é espectador privilegiado de seu esvaecer. Porque ele é seu oposto no que toca ao temperamento, não demora para que se torne paulatinamente também personagem a se decompor, junto dela. E aí, sonhos, delírios e devaneios passam diante da lúcida câmera de Haneke – momentos brilhantemente compostos estes em que a câmera objetiva torna-se subjetiva, plenamente mergulhada no cotidiano do casal em ruínas.

6 comentários:

Jefferson C. Vendrame disse...

Olá Dani, Tudo Bem?
Ótimo seu Post sobre Amour. Quero muito ver esse filme, estou torcendo para que o mesmo chegue até os cinemas da minha pequena cidade ...

Parabéns pelo texto!

Grande abraço

disse...

Muito bacana a rápida resenha, Dani. Acha que Emanuelle Riva ganha o Oscar de Melhor atriz?
Beijos!

Daniele Rodrigues de Moura disse...

Olá!
Participe da enquete-post que fiz no blog!

www.telaprateada.blogspot.com

Um abraço
Dani

Fabiane Bastos disse...

O Bolão do Oscar 2013 já está no ar, e claro, você está convidada!
(http://dvdsofaepipoca.blogspot.com.br/2013/02/bolao-do-oscar-2013.html)

Bons palpites!
As blogueiras do sofá (DVD, Sofá e Pipoca)

Danielle Crepaldi Carvalho disse...

Olá, Jefferson!

Ah, muito obrigada! Espero também que o filme entre num cinema da sua cidade. Senão, sempre vale a pena alugá-lo ou baixá-lo. Amour é desses filmes que não precisam do cinema pra se revelarem.

Até logo!
Dani

Danielle Crepaldi Carvalho disse...

Lê, querida, obrigada! Sabe que eu aposto nela? Mesmo sendo artista estrangeira, que o Oscar raramente premia.

Dani, vou passar lá!

Fabiane, vou participar do bolão com prazer, mesmo sabendo que tenho uma chance grande de ficar na lanterna ;D

Bjs, meninas!
Dani