sábado, 28 de janeiro de 2012

“Bola de Fogo” (Ball of Fire, 1941). E viva as loucuras adoráveis do cinema clássico!

Não paro de me surpreender com a produção cinematográfica da Hollywood clássica. Parece impossível que um cinema tão preso a convenções, preocupado fundamentalmente em vender a imagem de seus stars, tenha conseguido produzir tanta coisa notável – e aqui me prendo especificamente em “Ball of Fire”, screwball comedy roteirizada por Billy Wilder e Charles Brackett e dirigida por Howard Hawks no princípio dos anos 40.
Hawks provara ser mestre no gênero desde que dirigiu “Bringing up baby” (Levada da Breca, 1938) e “His girl Friday” (Jejum de Amor, 1940). Wilder, o grande Wilder, até então não havia se aventurado detrás das câmeras, mas roteirizava desde o início dos anos 30, antes em sua Alemanha natal e depois nos Estados Unidos, tendo sido responsável por engendrar, por exemplo, “Ninotchka”, a primeira comédia – e que comédia! – protagonizada por Greta Garbo. Hawks já havia dado à Sétima Arte um conjunto heterogêneo de produções: épicos como “Sergeant York” (1941), filmes noir como “Scarface” (1932). Wilder rapidamente estenderia seus domínios, como roteirista e diretor, para os campos da comédia, da tragicomédia, do romance, do drama, do noir, sempre com resultados de qualidade assombrosa: “The major and the minor” (1941), “A foreign affair” (A mundana, 1948), “Sabrina” (1954), “Sunset Boulevard” (Crepúsculo dos Deuses, 1950), “Double Idemnity” (Pacto de Sangue, 1944) – quase sempre com a parceria de Charles Brackett.


“Ball of Fire” é a prova cabal da versatilidade do grupo. A história se estrutura em torno dos elementos da comédia amalucada, que, no entanto, se enlaçam de um modo irresistível à violência dos gangsters dos noir e ao romance agridoce. Só a premissa já é de encher os olhos: Sugarpuss O’Shea (Barbara Stanwyck), cantora de cabaré, é obrigada pelas circunstâncias a se esconder na Fundação habitada por oito professores de meia idade e celibatários que escrevem uma Enciclopédia cuidados por uma velha governanta; o único jovem do grupo é Bertram Potts (Gary Cooper), que cruza com a moça enquanto procura fontes para sua pesquisa sobre slang (a língua informal, usada sobretudo na fala e por um grupo particular de pessoas – a nossa gíria), um dos verbetes da Enciclopédia. O choque entre essas duas personalidades opostas, elemento fundamental da screwball, é aqui potencializado porque um efetivamente troca de lugar com o outro: as buscas do prof. Potts levam-no à boate onde a moça apresenta um número “repleto de palavras tão estranhas que o deixam com a boca cheia d’água”; a fuga de Sugarpuss – “Rostinho Doce”, segundo a melhor slang – leva-a a aceitar o convite do homem e compor o grupo que estudaria o assunto na Fundação onde ele habita.
Mas, para além dos quiproquós envolvendo os senhores castos e a moçoila espevitada e tudo, menos casta – chacoalhada explícita na fábula da “Branca de Neve e os Sete Anões” – o que me encanta na história é o tratamento que ela dá à língua e aos saberes institucionalizados. Não sei se o assunto parecerá abstrato demais àqueles que desconhecem os debates dos Linguistas sobre as variedades da Língua e as noções de “erro” e “acerto”; dos embates homéricos travados entre Linguistas – defensores da língua viva, com todas as suas variantes populares e eruditas, de pronúncia e de escrita – e Gramáticos Normativos, que classificam como “erro” tudo o que foge à “norma culta”. O embate gerou filhos obtusos como, recentemente, o debate sobre o livro de português que supostamente ensinava errado apenas porque admitia a possibilidade de se dizer “os livro”. Mas encurtemos o assunto. O que “Ball of Fire” faz, e esse é um dos motivos pelos quais ele me é tão querido, é balançar o coreto da Gramática Normativa – e em 1941!
E com que graça ele o faz!... Nesta história, o saber institucionalizado - compreendido pela Enciclopédia e os velhos acadêmicos que a redigem – é primeiro caricaturado para depois ser revisto até finalmente dar os braços ao saber popular. Gíria – lembra o professor Potts – como diz o poeta Carl Sandburg, é a língua que tira o casaco, cospe nas mãos e pega no batente. É o aspecto mais dinâmico da linguagem, e ele, para aprendê-la, deixará o conforto dos livros antigos de referência e encetará um encontro com a sociedade viva que a fala. É aí que encontrará Sugarpuss.
Os professores, embora eruditos, pouco sabem para além de sua área de conhecimento. Sugarpuss carece de ensino formal mas esbanja conhecimento prático da vida. Logo ela vai iluminar, com seu brilho de entertainer, a vida pálida dos homens que a circundam. E tudo isso acontecerá dentro da estrutura narrativa mais enxuta e coerente que se pode esperar, o que só faz cooperar na construção dos tipos e situações criadas:
Nas mesas redondas onde o professor Potts tentará aprender a slang americana com “um grupo de pessoas dos mais variados grupos sociais” (ideia moderníssima ainda hoje) nasce a discussão sobre o que é corny (sentimentaloide), a qual ajudará a definir os caracteres dele e da jovem Sugarpuss. E é uma slang – como não – que juntará o rapaz e a moça, numa das cenas românticas mais deliciosas de todos os tempos, que culmina com ela lhe ensinando o que é Yum Yum (vejam a cena abaixo, um dicionário visual do vocábulo), não sem antes fazer chover na cabeça do rapaz construções linguísticas que até hoje botariam o prof. Pasquale e sua trupe de cabelos em pé (construções que são questionadas pelo prof. Potts bem no meio da cena romântica, o que só lhe faz aumentar o charme: Miss O'Shea, the construction "on account of because" outrages every grammatical law!).

O prof. Potts, a Bola de Fogo e os profs. Oddly e Magebrunch

Em volta da dupla de protagonistas brilha um dos melhores conjuntos de coadjuvantes da época. Nomes como S.Z. Sakall, gordo e de rosto afável, responsável por uma infinidade de tios, primos e amigos bonachões no cinema dos anos 40, 50 (foi o barman de “Casablanca”). Sakall é um personagem tipo, como os demais professores, mas aqui os tipos casam-se perfeitamente com o roteiro. Ele é no filme o prof. Magebrunch, especialista em fisiologia, chamado sempre para resolver os problemas de saúde do grupo. Assim como o botânico prof. Oddly, o qual, apesar da “esquisitisse” que lhe atribui o próprio nome, é tão suave quanto as flores que ele tão bem conhece. Pertence ao prof. Oddly um dos momentos mais belos do filme, quando ele conta ao grupo sobre a esposa há tanto tempo falecida, sua sweet Genevieve, como diz a canção folclórica que ele e o grupo cantam depois de ele teorizar sobre o sexo feminino: sexo tão frágil quando a anemone nemorosa, florzinha que esperava o calor do sol para abrir as pétalas “sensíveis e delicadas”. Em momentos como esses, em que as loucuras da screwball dão lugar à atmosfera agridoce de nostalgia, sempre me pego com lágrimas nos olhos – sim, sou tão corny quando o professor Potts...

Oh Genevieve, I'd give the world
To live again the lovely past!
The rose of youth was dew-impearled
But now it withers in the blast.

(...)
Oh Genevieve, sweet Genevieve,
The days may come, the days may go
But still the hands of mem'ry weave
The blissful dreams of long ago

E por fim, os protagonistas. Gary Cooper e Barbara Stanwyck já haviam sido juntados no mesmo ano no também ótimo “Meet John Doe” (Adorável Vagabundo), uma das obras primas de Frank Capra. Aqui repetem o brilhante par romântico – brilhante especialmente por causa de Barbara, que faz o elemento ativo da relação. Aliás, essa mulher, estrela subestimada em sua época, precisa ser olhada com muito cuidado. Agora estou vendo-a meio compulsivamente e a admirando cada dia mais. Só ela, dentre todas as estrelas da época, para ainda parecer irresistível mesmo esbordoando uma velha que estava coberta de razão. Barbara soube lidar bem com a pecha de “mulher decaída” que o star system lhe impingiu. Aqui ela cria uma admirável, cheia de pimenta e de um caráter tão dúbio que apenas a conheceremos verdadeiramente no final. Nós e o Freud da Enciclopédia dos velhinhos...


Além do roteiro excelente, da direção cuidadosa e das ótimas performances, “Ball of Fire” é, como nenhum outro filme da época, um sensacional compêndio da slang americana dos anos de 1940 - mais surpreendente ainda porque Billy Wilder, um de seus criadores, ainda estava aprendendo o inglês. Recomendo-o fervorosamente, ainda mais porque, embora seja uma das melhores screwball comedies da época, não recebeu a mesma atenção que tiveram suas congêneres: “Aconteceu naquela noite” (It happened one night, 1934), “Núpcias de Escândalo” (The Philadelphia Story, 1940) ou “Cupido é moleque teimoso” (An Awful Truth, 937), por exemplo. Só que os leitores precisam baixá-la, porque o Brasil ainda não a comercializa e ela é vendida nos States a peso de ouro. Legendas em português são encontradas na Opensubtitles.

21 comentários:

Edison Eduardo d:-) disse...

Oi, Dani... Que bom que botou um link para download do filme... Mas, é preciso correr antes que tirem do ar...

Vc sabe que eu acho muito bacana quando vc faz ligações entre filmes... Sei que está vivendo a época da Barbara mas citou nesta postagem um filme anterior que tb já me deu vontade de assistir, o "Núpcias...", ah, e tem tb o "Aconteceu naquela noite"...

Santa listinha! Um bjo!

ANTONIO NAHUD JÚNIOR disse...

Dani, que post sensacional! Gosto muitíssimo desse filme. É de uma agilidade e inteligência típicas de Wilder-Hawks. Mas discordo em alguns pontos: foi um grande sucesso - tanto quanto os outros citados -, e Barbara nunca foi uma atriz subestimada, muito pelo contrário, durante 20 anos foi estrela absoluta, amada por crítica e público. No início dos anos 40, era a mais bem paga. O filme também pode ser encontrado no mercado brasileiro. O meu, por exemplo, é original. Por fim, uma curiosidade, BOLA DE FOGO concorreu aos Oscars de Melhor Atriz, Melhor Roteiro e Melhor Trilha Sonora.
Beijão e parabéns! E viva Babs, a minha atriz favorita!

O Falcão Maltês

Danielle Carvalho disse...

Edison, veja o filme que você vai adorar. Veja-o até antes dos outros dois - mesmo porque nunca se sabe quanto tempo o link vai durar na web...

Antonio, em primeiro lugar obrigada pelas palavras! Seu original de "Bola de Fogo" deve ser da época em que surgiram os DVDs e, portanto, já se esgotou faz tempo.Eu o procuro faz uns anos mas nunca consegui achá-lo... (dando uma busca na internet agora você vai sentir a mesma dificuldade)

Você não acha que a Barbara foi subestimada? 100 filmes e só 4 indicações ao Oscar, só conseguindo recebê-lo no fim da vida, num prêmio especial? Eu acho. Talvez esse esquecimento da Academia se deva ao fato de ela ter estado em muitas produções, algumas bem ruins, aliás, e ser tão admirada pelo público. Vai se saber! Só salta aos olhos a diferença no modo como a academia a tratou e tratou outras estrelas como Katharine Hepburn e Bette Davis, todas do mesmo quilate.

Bjs e inté mais
Dani

ANTONIO NAHUD JÚNIOR disse...

Concordo, Dani. Pela Academia ela realmente foi subestimada. Assim como tantas outras.
Primeiro consegui BALL OF FIRE em VHS (uma coleção de uma revista/jornal). Por fim, comprei-o ano passado em Salvador, em DVD, numa locadora de vídeo que estava disponibilizando alguns filmes.

Danielle Carvalho disse...

É mesmo, Antonio? Ou você teve muita sorte e comprou um DVD do filme antes de ele sumir do mercado, ou então comprou um bootleg, porque nenhuma loja digital, o Buscapé ou o Mercado Livre acusam a existência de cópias do filme disponíveis para a compra em DVD.

Bjo

As Tertulías disse...

Nao conheco!!!! E voc conseguiu mais uma vez me enimar para procurar um filme novo!!!! Oba!!!! Obrigado, minha querida!!!!

As Tertulías disse...

=> Comentário meu nas Tertúlias para voce!!!!!


Oh, querida...

que bom que voce gostou!!!!!

Sua opiniao é sempre importantíssima para as Tertúlias!!!!! (particularly speaking: I also liked the new lay-out... very art-deco VERY MUCH!!!).

Beijos e muito amor & carinho enviados "Express" de Viena para Valinhos!!!!

Ricardo

30 de janeiro de 2012 17:29

As Tertulías disse...

Do you remember Jeanette MacDonald saying "This is my very, very Húsband?"... I think it was in "I married an Angel"
Oooops, porque estou a falar o ingles?????

Danielle Carvalho disse...

Oi, Ricardo!

:D

Olha, descobri esse filme por mero acaso também, e relutei um pouco em baixá-lo: um título como "Ball of Fire" bota a gente meio na defensiva... Mas quando o baixei não cansei de vê-lo e revê-lo. Achei-o genial pra dizer a verdade, e aí efetivamente vi pela primeira vez a Miss Stanwyck (embora já tivesse visto outros filmes dela). Veja-o que ele certamente vai entrar na sua lista dos mais mais do cinema clássico!

E, English, hum! Estamos cosmopolitas! Olha, o art-deco de seu blog caiu como uma luva no espírito dele. E sobre a frase de Jeanette, não me lembro dela. Ah, falando nisso, preciso rever a Jeanette. Faz tempo que não a reencontro...

Beijos, querido, e quando vir "Ball of Fire" me diga o que achou? Please?
Dani

disse...

Olá, Dani!
Pegue seu selinho Liebster (significa "querido" em alemão) na barra lateral do meu blog e passe-o para outros cinco blogs com menos de 200 seguidores.
Beijos!

Maxwell Soares disse...

Esse filme é bárbaro. Gosto de filmes antigos. Esse ar de nostalgia é o combustível destes Clássicos. Excelente, postagem, Danielle. Um abraço. Seguindo...

Danielle Carvalho disse...

, obrigada!! Vou passar lá pelo seu blog.

Maxwell, você é muito gentil! Um filme bom ajuda o crítico, e esse é dos melhores!

Bjs
Dani

Jefferson Clayton Vendrame disse...

Dani, como vai?
Obrigado por suas palavras em meu último Post (Horizonte Perdido)
Parabéns pelo ótimo texto. Tenho esse filme em casa em versão VHS, consegui em um sebo. A qualidade não é das melhores afinal estamos desacostumados a assistir filmes em fitas não é? Quanto ao filme, realmente, um clássico,gosto muito de Cooper mas o prefiro nos Westerns... Barbara apesar de ótima atriz não é das minhas preferidas, não simpatizo muito com seus principais personagens, sempre vilões e estereotipados, mas enfim...

Ótimo Post, mais um clássico "menos badalado" tendo seu espaço no mundo virtual...

Abração

M. disse...

Isso é que eu chamo de um super post Danielle! Obrigada pelo selo Liebster!

Danielle Carvalho disse...

Fico feliz que tenha gostado, M.! Eu é que agradeço pelas palavras.

Dani

Fabiane Bastos disse...

Olá, lembra de mim? Sou a Fabiane do blog DVD, Sofá e Pipoca.

Estou mais uma vez te convidando para participar da blogagem coletiva do bolão do Oscar. As regras e o selo da brincadeira podem ser encontrados neste post.

Esperamos sua participação e boa sorte!

Suzane Weck disse...

Ola Dani,muitissimo boa tua lembrança de relembrar este filme com atores tão conhecidos e queridos pelo publico.Adorei.Meu grande abraço.

Danielle Carvalho disse...

Olá, meninas!

Fabiane, o Oscar desse ano está meio broxante, mas vou passar pelo blog e dar meus pitacos!

Suzane, que bom que gostou! Obrigada pelo feedback.

Bjos
Dani

Faroeste disse...

Dani;

Concordo contigo quando diz que a Barabara precisa ser olhada com mais atenção e cuidado.

Existe, no blog cinewesternamania, posts sobre a Barbara e que fala muito de sua vida e seu trabalho. O Darci esmiuçou muito desta bela atriz e nos presenteou com achados e informações que, somente ali, encontrei até o momento.

Falando de Wilder, acho que este não foi o meu melhor trabalho, mas foi sim, acredito, o que deve ter lhe dado mais a fazer. Isto por tratar-se de coisas diversas sobre linguas e girias populares, o que não é uma tarefa fácil para compor.

O prefiro ainda em Crepusculo dos Deuses e Pacto de Sangue, onde a Barbara, ao lado de MacMurray, explodem em perfeição de atuações.

Quando ao Hawk's, este foi um cineasta sempre centrado, perfeito em tudo o que fez, embora não valorize Levada da Breca, pois não vejo nada onde o Cary Grant esteja.
jurandir_lima@bol.com.br

Danielle Carvalho disse...

Oi, Jurandir!

Preciso passar pelo Cinewestern... pra ler esses textos sobre a Barbara! Ela fez uma porção de farwests. Uma porção de tudo, aliás. No momento estamos vendo "The Big Valley" e é o máximo! Nunca antes eu a vira em cores...

Sobre o filme, acho que esse é dos melhores do Wilder (quer dizer, roteirizado por ele, não dirigido). Pacto de Sangue é outra obra prima, assim como Crepúsculo dos Deuses, com outra de minhas musas, a Gloria Swanson. O Wilder era sensacional, mesmo...

Bjs!

Danielle Carvalho disse...

O Chico Lopes curtiu a dica. Sua opinião sobre o filme:

Achei "Bola de fogo" uma obra-prima de comédia. Fiquei fã descabelado de Barbara, eu que já gostava dela. Mas seu timing de comédia era perfeito, e até Gary Cooper, que às vezes faz demais o bobão ingênuo para meu gosto, está ótimo. Os velhinhos são todos atores de primeira.
Que diálogos inteligentes e ferinos!
Meu Deus, cadê diálogos assim nas comédias de hoje em dia?
E vi Dana Andrews (de quem gosto muito)pela primeira vez como um gângster malvadão (ele é o namorado da Barbara).
Do começo ao fim, uma delícia.